Rombo de R$ 50 milhões

Amastha diz que depoimentos a CPI do PreviPalmas demonstram que não houve irregularidades de sua parte

22/05/2019 16h34 - Atualizado em 22/05/2019 17h46
Foto: divulgação

Na tarde desta terça-feira, 21, a Comissão Parlamentar de Inquérito, que investiga irregularidades nas aplicações financeiras do PreviPalmas no valor de R$ 50 milhões, ouviu, na condição de testemunha, o ex-presidente do Instituto de previdência do município de Palmas, Maxcilane Fleury. 


O depoimento de Fleury era o mais esperado pelos vereadores porque eles queriam receber explicações sobre os motivos de o ex-presidente ter autorizado investimentos em aplicações de alto risco na mesma empresa que também,  causou prejuízo  de mais de R$ 300 milhões ao Igeprev.

As Aplicações ocorreram durante a gestão do ex-prefeito de Palmas, que foi ouvido pela comissão no ano passado, Carlos Amastha.

Em nota ao Jornal Anhanguera 1ª edição, Amastha informou que foi ele quem pediu para que a CPI do PreviPalmas fosse instaurada e que os depoimentos a comissão demonstram que não houve irregularidades por parte dele.

 

Veja Também