No Estado

Tribunal de Contas do Tocantins usará drone para fiscalizar obras públicas

15/05/2019 08h35 - Atualizado em 15/05/2019 08h37
Foto: Divulgação

O avança tecnológico tem proporcionado diariamente bons frutos em várias áreas. Dentro desse processo e pautado nos pilares da Governança e Tecnologia, o Controle Externo do Tribunal de Contas do Tocantins (TCE/TO) conta agora com um drone para ajudar na fiscalização de obras públicas.

De hoje (terça-feira, 14) a quinta-feira, 16, os engenheiros da Coordenação de Análise de Atos, Contratos e Fiscalização de Obras e Serviços de Engenharia (CAENG) e técnicos do Instituto Federal do Tocantins (IFTO) participam de um curso para utilização de programas e manuseio do VANTs - Veículo Aéreo Não Tripulado (Drone).

A ferramenta será utilizada para execução de mapeamentos topográficos nas fiscalizações realizadas pela CAENG, com a finalidade de fornecer subsídios aos participantes para a aplicação desses levantamentos. “A utilização do drone é uma nova vanguarda na área da tecnologia. O objetivo principal deste curso não é a operação do drone, mas sim o processamento dessas imagens que jogaremos em softwares específicos para identificarmos volumes em rodovias, escavações, áreas, levantamentos planialtimétricos e levantamentos altimétricos, facilitando nosso trabalho”, destacou Flávio Brito, coordenador da CAENG.

O professor doutor Edésio Elias Lopes é o responsável pela aplicação do curso e destaca que a utilização do drone ajudará os engenheiros a diminuírem o tempo em campo com medições topográficas. “De 30 a 40 minutos podemos mapear uma área de 10 hectares, por exemplo, e passaremos mais tempo processando as informações com dados e imagens precisas que irão ajudar na elaboração de laudos técnicos”, Lopes. 

Ele ainda reforçou que o uso do drone na área da engenharia é uma ferramenta que tem sido muito usada. “É algo novo, de 5 a 6 anos que passou a ser utilizado e com certeza ajudará nas fiscalizações e medições de obras públicas. Tem tudo para ser uma ótima ferramenta para o Tribunal de Contas”, pontuou.

Ainda de acordo com o Lopes, quando o processo de execução do drone é bem feito o resultado é muito positivo. “É isso que estamos apresentando para os engenheiros para que façam um trabalho mais rápido e com mais precisão. Estamos estudando tudo que tem de melhor no mercado tecnológico desta área hoje”.

Independência

Lopes fez questão de frisar que hoje em dia os drones são independentes, já que você configura as coordenadas do voo no GPS e ele executa tudo sozinho, decola e volta para a mesma base com um simples comando. “Num voo abaixo de 100 metros de altura temos uma precisão de pixels de 1,5 centímetros. Dessa forma os engenheiros poderão aferir, por exemplo, volumes e perfis. É uma ferramenta que agregara e muito aos engenheiros do Tribunal de Contas”, destacou o professor.

O coordenador da CAENG fez questão de lembrar que antigamente para fazer essas fiscalizações com medições eram usados teodolito, estação total e serviço de aerofotogrametria (só com aviões). “Hoje não, isso tudo podemos fazer com o drone. O processamento dessas imagens e dos dados trará para a gente uma capacitação técnica bastante interessante que nos ajudará na fiscalização do Controle Externo”, afirmou.

Conteúdo programático

Introdução a disciplina e contextualização do assunto

Noções de Cartografia, Sistema de referência e Sistema de Projeção cartográfica

Noções de Sensoriamento remoto e Fotogrametria

Noções de GNSS - Utilização Prática - levantamento de pontos de apoio

Tipos de VANTS (drones), configurações e Legislação

Prática - utilização de VANTS para levantamento Topográfico (configurando o voo)

Prática - Utilização de softwares para processamento de imagens levantadas com o VANT, cálculos distâncias, cálculos volume, dentre outros

Utilização dos dados resultantes do levantamento em Softwares da AutoDesk

Considerações finais a apresentação dos trabalhos executados pelos alunos 

Veja Também