Brasil

“Vou partir para o enfrentamento”, diz ex-presidente Michel Temer

12/04/2019 14h32 - Atualizado em 12/04/2019 14h34
Foto: Divulgação

O ex-presidente Michel Temer (MDB) afirmou que vai partir para o “enfrentamento, inclusive público” em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo. Ele foi preso no dia 21 de março e acredita ser alvo de um “núcleo punitivista” do Ministério Público.

Temer se disse surpreso com a prisão porque, apesar de saber que o processo saiu do Supremo para a primeira instância, ele não estava formatado. “Os procuradores fizeram um ‘catado’ de vários inquéritos e juntaram todos num caso”, apontou ao jornal.

O ex-presidente não vê a possibilidade de ser preso novamente. “Posso acreditar em arbitrariedades, por uma razão singela: não há provas. Cadê a prova?”, questionou. Entre os decretos que ele havia assinado e, segundo o MP, serviram para beneficiar empresas, ele comentou o documento a respeito dos portos. “Esse decreto moderniza uma lei do tempo da ex-presidente, tramitou três meses no Ministério dos Transportes, depois mais seis meses na Casa Civil”, explicou à Folha.

Questionado, Temer disse que não teve contato com outro suspeito durante operação, o coronel Lima, e afirmou que a filha, também ré no processo por suspeita de lavagem de dinheiro, sofreu muito com toda essa situação.

O político também comentou os primeiros 100 dias da gestão de Jair Bolsonaro (PSL). Ele acredita que o presidente terá condição de revelar o que foi feito e disse que o chefe do Executivo “está dando sequência àquilo” feito pela gestão Temer.

Fonte: Metrópoles

Veja Também