Palmas - TO quarta, 17 de outubro de 2018

Prefeito é investigado por oferecer R$ 1 mil para fazer sexo com menina de 13 anos

No Rio Grande do Sul

15/05/2018 10h23 - Atualizado em 15/05/2018 10h26
Foto: MP/Divulgação
Agentes durante o cumprimento de mandados de busca e apreensão na prefeitura

O Ministério Público Estadual, com o apoio da Brigada Militar, cumpre na manhã desta terça-feira (15) três mandados de busca e apreensão no município de Planalto, no norte do Rio Grande do Sul, em uma operação contra pedofilia. De acordo com a investigação, o prefeito Antonio Carlos Damin teria oferecido R$ 1 mil para que uma menina de 13 anos fizesse sexo com ele.

O fato foi denunciado ao Ministério Público, Conselho Tutelar e Polícia Civil, o que levou Damin a marcar encontro em local ermo com os pais da menina, com o objetivo de convencê-los a retirar a representação. A vítima ainda denunciou que o Prefeito mostrou a ela fotos e vídeos de outras jovens nuas, inclusive da cidade. As buscas têm o objetivo de confirmar a existência desse material, bem como eventual participação do suspeito em outros crimes envolvendo menores de idade. A promotora de Justiça Michele Taís Dumke Kuffner acompanha os trabalhos.

Ainda de acordo com as investigações, o prefeito teria tentado molestar a adolescente, o que configura o crime de estupro de vulnerável.

Além dos mandados de busca e apreensão, a 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça deferiu os pedidos do MP para proibir o contato do investigado com a vítima e os pais dela, por qualquer meio, seja pessoalmente ou por terceiros, ou mesmo por meios eletrônicos ou telefônicos, além de guardar distância mínima de 200 metros da menina e de seus familiares. Ele também está proibido de se ausentar da Comarca de Planalto sem autorização judicial.

Veja Também