Palmas - TO sexta, 21 de setembro de 2018

Contrato da família de Cleiton Pinheiro com o governo compromete independência do Sisep, diz oposição

Sindicato dos servidores públicos do TO

13/03/2018 12h31 - Atualizado em 13/03/2018 12h48
Foto: divulgação

Entre os anos de 2014 a 2016, atual gestor do Sisepe recebeu mais de R$ 26 mil do Estado referente a aluguel de imóvel.

Contratos de aluguel de um imóvel para sediar a casa de detenção feminina em Palmas comprometem a independência do Sisepe-TO (Sindicato dos Servidores Públicos do Tocantins). Essa é opinião da candidata a vice-presidente do sindicato pela chapa de oposição “Renova Sisepe: pela Moralização e Direito do Servidor”, Joanice Rodrigues de Souza, ao avaliar os contratos assinados pelo atual presidente do sindicato, Cleiton Pinheiro, e pela sua esposa, Elane Fernandes de Souza Pinheiro, para alugar imóvel ao governo do Estado.

Conforme comprovantes disponíveis no Portal da Transparência do governo do Estado, entre os anos de 2014, 2015 e 2016 foram mais de R$ 26 mil recebidos por aluguel. Os pagamentos mostram relação com dois governos diferentes – o anterior, de Sandoval Cardoso, e o atual, de Marcelo Miranda.

Em 2014, os pagamentos foram feitos pela Secretaria de defesa Social. Em 2015, pela Secretaria de Defesa e Proteção Social e, em 2016, pela Secretaria de Cidadania e Justiça. Isso ocorre pelas mudanças da nomenclatura da pasta responsável por administrar e gerir as prisões do Estado.

“O governo faz o que quer com o servidor, porque o presidente atual do Sisepe está mais preocupado em fazer negócio com Estado do que defender funcionalismo”, salientou Joanice Rodrigues, ao lembrar que o governo, até agora, não pagou a data-base 2017, direito que servidor deveria ter tido incorporado nos salários em maio do ano passado. O atraso prejudica mais de 35 mil funcionários públicos estaduais de carreira e todos os filiados do sindicato aptos a votar no próximo sábado, 17 de março.

Para a candidata a vice-presidente, esse fato é mais um que vem a se somar a falta de credibilidade da direção atual do Sisepe-TO. “Naturalmente, qualquer presidente que tivesse há 12 anos, já estaria muito desgastado. Soma-se a isso o salário astronômico (verba de representação) de 15 salários mínimos, uma gestão sem plano de saúde, com falta de transparência e que usa toda a estrutura para atacar a adversária eleitoral. Dirigente com negócio com o governo. Temos que dar um basta nisso e, neste sábado, peço a servidor que vote na chapa 3, comandada pela nossa colega Ana Cibele”, frisou.

A chapa 3 é a única de oposição na disputa do Sisepe, já que o continuísmo rachou e apresentou dois candidatos – Cleiton Pinheiro e Marcos Roberto.

Confira, nos documentos em anexo, a publicação do contrato de Cleiton Pinheiro e sua esposa Elane e os comprovantes de pagamentos feitos pelo governo do Estado ao casal por causa do imóvel.

A votação será das 9 às 17 horas do dia 17 de março, na sede do sindicato em Palmas e nas sedes das Diretorias de Assuntos Regionais de Araguaína, Porto Nacional, Gurupi e Taguatinga.



Veja Também